Archive for Janeiro, 2008

Maluda: A Busca da Harmonia Perfeita

Quinta-feira, Janeiro 31st, 2008

Maria de Lourdes Simões de Carvalho O Império e o Velho do Restelo Conheci a Maluda no dia em que chegou de Moçambique; trazia a alma dilatada pelos grandes espaços africanos, guardava na memória as cores vibrantes e o gosto intenso das especiarias da Índia onde nasceu; eu albergava preconceitos contra o terceiro mundo, incensava […]

Cantigas de Amigos

Quarta-feira, Janeiro 30th, 2008

José Carlos Ary dos Santos Era uma vez um livro muito bonito, que cheirava muito bem. Umas vezes a flores, outras vezes a urtigas. Mas a urtigas sadias. Tinha sido feito pela Natália Correia que o desenterrara de alfarrábios muito, muito velhos, com mãos de chama e de poeta. Escusado será, pois, dizer que o […]

Persiana para Janela de Maluda II

Quarta-feira, Janeiro 30th, 2008

Alexandre O’Neill Se, transcorridos que forem muitos séculos, uma janela destas ainda se encontrar e, por detrás do vidro, o açaimoxigénio? duma criança (púnhamos loura) se intervir, É que alguém (em que centúria?) entrou no quadro à revelia dos lances do esquema inicial. Vindouro não remontes o tempo, que o quadro é o que vês. […]

Persiana para Janela de Maluda I

Quarta-feira, Janeiro 30th, 2008

Alexandre O’Neill Esta janela já não tem enredos, ninguém por ela espreita, ninguém espera vê-la semicerrar, semiabrir o olhoblíquo verde de ciúme; Nem por ela passarão as trajectórias do suicida e do escalador. Romeu morreu e a doce expectação de Julieta é comprimido sono. Sequer uns braços nus de janeleira, hasteada brancura, nela podem demorar […]

Maluda em Confidências de Mulheres

Quarta-feira, Janeiro 30th, 2008

Depoimento de Maluda para o livro Confidências de Mulheres, Anos 50-60, de Cecília Barreira (Círculo de Leitores, Lisboa, 1993 / ISBN: 972-42-0642-4) 1. Os anos 50 coincidiram com a sua infância, adolescência ou idade adulta? Os anos 50 foram adolescência e idade adulta. O fim do liceu e o princípio de uma vida em que […]

Geometria de Maluda: Uma alma fascinada pelas formas

Quarta-feira, Janeiro 30th, 2008

Entrevista de Hugo Beja, publicada na revista Galeria de Arte (Nº 5, Ano 2, Junho/Agosto de 1996) Do Universal – Podemos sustentar que o Universo é uma incomensurável rede cristalina, logo, um contínuo geometricamente arranjado. Pois, de facto, o espaço infinito abriga átomos e partículas subatómicas que se relacionam, congregam, interagem, estabelecendo afinidades, co valências, […]

"Os quadros de Maluda são um hino, um louvor à vida, ou seja à construção do abrigo humano". Maria Helena Vieira da Silva