Archive for the 'Textos' Category

Capa de “Fados”, de Carlos Zel e Rosa Lobato de Faria

Segunda-feira, Fevereiro 2nd, 2009

Capa para o album “Fados” de Carlos ZelBMG Ariola, 1993Original: Óleo sobre telaFado MaludaFado MaludaLetra de Rosa Lobato de FariaNasceu guardiã dos sonhosTem a magia nos olhosTraz os segredos na mãoTorna Lisboa mais belaQuando pinta uma janelaLogo se abre o coraçãoTorna Lisboa mais belaQuando pinta uma janelaLogo se abre o coraçãoSão quiosques, são telhadosE há […]

Dos retratos às “janelas suficientes”

Quinta-feira, Novembro 13th, 2008

Prefácio de José-Augusto França para o livro “Maluda” … Para Maluda o mais acertado adjectivo é “independente”. Independente do mundo e da fortuna era ela – do mundo das artes e das suas tricas, do da fortuna delas, com seus truques. Maluda não tinha “marchand” nem fazia exposições comerciais, e só na Fundação Gulbenkian, por […]

Fernando Raposo de Magalhães escreveu no aniversário de Maluda

Quarta-feira, Outubro 22nd, 2008

Subia-se ao 4º andar, no elevador da esquerda, às 2ªs, 4ªs e sextas, e no da direita nos restantes dias. Era um bom presságio e, realmente, ali não havia complexos de esquerda nem desvios à direita. Não quer dizer que não se discutisse política, mas nunca se ficava a perceber qual a cor que ali […]

Mensagem do Presidente da República

Terça-feira, Julho 8th, 2008

A obra de Maluda oferece-nos um Portugal em festa, que a pintora soube celebrar através das cores vibrantes com que retratou paisagens, janelas, portas e quiosques, imagens que se tornaram familiares a todos os Portugueses. Para falar de Maluda é essencial referir a sua extraordinária capacidade de fixar a luz de Lisboa ou as tonalidades […]

Patrocínio do Grupo José de Mello

Terça-feira, Julho 8th, 2008

O livro “Maluda” irá ser publicado em Novembro do corrente ano, para assinalar a passagem do 10º aniversário da sua morte, e reunirá a quase totalidade da obra da pintora, nas suas múltiplas vertentes. A obra é fruto de dois anos de intenso e rigoroso trabalho por parte de uma equipa que pesquisou, localizou, catalogou, […]

Os pintores do silêncio…

Domingo, Abril 6th, 2008

Fernando de Azevedo Os pintores do silêncio são também os melhores intérpretes da musicalidade: a recusa interior à estridência, ao excesso, e o seu modo próprio de invocar a harmonia; o que, para não se perderem no afogamento banal da sentimentalidade, lhes exige uma procura laboriosa, racionalizada à beira da frieza, de uma ordem. Esta […]

A cidade e o silêncio

Domingo, Abril 6th, 2008

Fernando Pernes O espectáculo urbano voltou à arte contemporânea, após as décadas de radicalismo abstracto, geométrico ou expressionista. Assim aconteceu desde o fenómeno «pop». Assim sucede nesta pintura de Maluda, diferentemente gerada num sistemático decantamento de experiências cezannianas que lentamente lhe determinaram específica originalidade. Figurativa, a pintura de Maluda absorveu da essencialidade geométrica, o primado […]

Um outro olhar sobre Portugal

Quarta-feira, Março 26th, 2008

(…) Maluda revela a face levantina da cidade de Lisboa; os brancos tornam-se levantinos, o Atlântico recebe um azul mediterrânico. Nós somos, de repente, uma raça do Mediterrâneo, pronta a subir aos terraços das casas, num sublime abandono ao destino, deixando que as Tágides falem da vida alheia para nós ouvirmos. Maluda não experimenta os […]

Maluda: A Busca da Harmonia Perfeita

Quinta-feira, Janeiro 31st, 2008

Maria de Lourdes Simões de Carvalho O Império e o Velho do Restelo Conheci a Maluda no dia em que chegou de Moçambique; trazia a alma dilatada pelos grandes espaços africanos, guardava na memória as cores vibrantes e o gosto intenso das especiarias da Índia onde nasceu; eu albergava preconceitos contra o terceiro mundo, incensava […]

Cantigas de Amigos

Quarta-feira, Janeiro 30th, 2008

José Carlos Ary dos Santos Era uma vez um livro muito bonito, que cheirava muito bem. Umas vezes a flores, outras vezes a urtigas. Mas a urtigas sadias. Tinha sido feito pela Natália Correia que o desenterrara de alfarrábios muito, muito velhos, com mãos de chama e de poeta. Escusado será, pois, dizer que o […]

"Os quadros de Maluda são um hino, um louvor à vida, ou seja à construção do abrigo humano". Maria Helena Vieira da Silva